fbpx

Green Future-AutoMagazine

O novo portal que leva até si artigos de opinião, crónicas, novidades e estreias do mundo da mobilidade sustentável

Aviões a hidrogénio voam nos céus da Europa

O projeto MAHEPA (Modular Approach to Hybrid-Electric Propulsion Architecture) é um consórcio de investigação para o desenvolvimento de tecnologias de propulsão para aviões de passageiros de pequena e média dimensão.

O consórcio, formado em 2017 e financiado pelo programa Horizonte 2020 da União Europeia, integra as empresas Pipistrel Vertical Solutions, H2Fly e Compact Dynamics, o DLR (Centro Aerospacial da Alemanha), a Universidade Politécnica de Milão, a Universidade Tecnológica de Delft, a Universidade de Ulm e a Universidade de Maribor, e tem como objetivo desenvolver sistemas de propulsão híbridos, modulares e escaláveis que utilizam combustíveis alternativos ou hidrogénio, com zero emissões.

O projeto desenvolve componentes para dois aviões de quatro lugares – o primeiro equipado com um sistema híbrido que integra um motor de combustão interna, e o segundo alimentado por uma célula de combustível (hidrogénio) –, que são testados com o propósito de obter dados sobre os benefícios e desafios das aeronaves híbridas.

O consórcio MAHEPA anunciou recentemente que a tecnologia desenvolvida como parte do projeto foi testada com sucesso em voo a bordo da aeronave Hy4: no dia 6 de novembro de 2020, apesar das repercussões do COVID-19 e com todas as precauções de segurança, a aeronave de passageiros, equipada com o novo sistema de propulsão de sexta geração movido a célula de combustível de hidrogénio, efetuou com sucesso o primeiro voo a partir do aeroporto de Maribor, na Eslovénia, “um marco histórico para o projeto e para o futuro da aviação limpa”.

Durante as duas semanas de testes, o Hy4 efetuou 35 descolagens e realizou voos de teste com duração máxima de duas horas, demostrando a operacionalidade do grupo propulsor e fornecendo dados de teste importantes.

De acordo com o consórcio MAHEPA, a arquitetura do sistema de propulsão implementada e testada na mais potente aeronave de passageiros alimentada por uma célula de combustível de hidrogénio provou ser totalmente redundante e modular, podendo ser usada para aperfeiçoar a tecnologia de célula de combustível numa escala de megawatts, num percurso de adaptação para aeronaves comerciais. Os desenvolvimentos tecnológicos encorajadores podem ser utilizados em atividades futuras para garantir a liderança dos projetos financiados por fundos comunitários.

Show More