fbpx

Green Future-AutoMagazine

O novo portal que leva até si artigos de opinião, crónicas, novidades e estreias do mundo da mobilidade sustentável

Venturi Antartica: o primeiro veículo de exploração polar com zero emissões

A fabricante de veículos elétricos de alto desempenho, Venturi, revelou o primeiro veículo de exploração polar de emissões zero, que será utilizado pela estação de pesquisa Princess Elisabeth, na Antártida, já a partir de dezembro, durante o próximo verão austral.

Depois de uma viagem à Antártida, em 2009, o príncipe Alberto II do Mónaco comentou com o presidente da Venturi, Gildo Pastor, que as estações de pesquisa não tinham veículos ecologicamente adequados e não poluentes. Portanto, a Fundação Príncipe Alberto II solicitou ao fabricante monegasco uma solução de emissões zero, para transportar passageiros e equipamentos de e para os locais de investigação científica.

Olivier Wenden, vice-presidente e diretor executivo da Fundação Príncipe Alberto II mostra-se orgulhoso por trabalhar com a Venturi, empresa que torna a “inovação sustentável” e usa-a para “promover a causa da ciência e preservar o Planeta”. 

A carroçaria e o estilo do veículo Antartica foram criados por Sacha Lakic, designer com quem Venturi trabalhou em estreita colaboração durante muitos anos. Lakic teve atenção às restrições técnicas impostas pelo departamento de pesquisa e desenvolvimento, a maioria das quais relaciona-se com o isolamento térmico do veículo, o tamanho da bateria e a estrutura do chassis.

Sacha Lakic também teve sucesso no desafio de conceber um design versátil, mas que garantisse o nível certo de conforto para os ocupantes do veículo. Com os seus bancos corridos rebatíveis, o Antartica pode transportar até seis pessoas, incluindo equipamentos e uma segunda bateria para aumentar a autonomia inicial de 50 quilómetros. Além disto, o veículo está equipado com soluções tecnológicas de ponta, para servirem da melhor forma as equipas de investigação. 

Gildo Pastor, presidente da Venturi, afirma que, do Venturi Antartica, os cientistas podem esperar “um veículo eficiente, fácil de manusear e com muito bom desempenho. Eles poderão realizar as suas pesquisas em ótimas condições, sem poluir os locais onde a qualidade das análises deve ser precisa até à última molécula. Estamos orgulhosos de ter desenvolvido uma solução tecnológica que cumpre a missão que nos foi dada pela Fundação Príncipe Alberto II”.

Show More