fbpx

Green Future-AutoMagazine

O novo portal que leva até si artigos de opinião, crónicas, novidades e estreias do mundo da mobilidade sustentável

GFAM

Kia e-Niro Move 39: crossover elétrico chega em versão mais acessível

Nova versão do Kia e-Niro Move 39 já disponível

A Kia anunciou a nova versão 100% elétrica do e-Niro, denominado Kia e-Niro Move 39. Este modelo entrou recentemente no mercado português, com um preço a partir dos 34.150€.

Equipado com uma bateria de 39,2 kWh, o Move 39 proporciona uma autonomia de 289 km (segundo ciclo combinado WLTP), estendendo-se até aos 405 km em circuito urbano.

Paralelamente, o novo modelo inclui um completo pack de ajudas eletrónicas à condução, com monitor central de 10,25”, câmara traseira, chave inteligente, travão de estacionamento elétrico, bancos em tecido e pele, seleção de modos de condução e patilhas no volante para controlo do nível de regeneração da bateria, entre muitas outras dotações incluídas no valor final. Dispõe, ainda, de uma bagageira com 451 l e usufrui de uma garantia de fábrica de 7 anos ou 150 000 km, que abrange também a bateria e o motor elétrico.

Interior Kia e-Niro Move 39

A Kia Portugal oferece ainda aos seus clientes de viaturas elétricas o cartão de fornecimento de energia GOElectric, resultado de uma parceria com a Ecochoice, responsável pela marca Charge2Go. As ofertas de eletricidade e os preços especiais no abastecimento fazem parte do leque de vantagens deste serviço.

De acordo com João Seabra, Diretor-Geral da Kia Portugal “O posicionamento desta versão Move 39 é um testemunho do nosso compromisso com a generalização da mobilidade elétrica”.

A marca está a acelerar a sua transição para a mobilidade sustentável, tendo prevista a apresentação de 11 modelos elétricos nos próximos quatro anos. Ainda este ano será lançado o EV6, o primeiro elétrico da marca com plataforma dedicada, oferecendo várias configurações de grupos motopropulsores de zero emissões, mais de 510 km de autonomia com um só carregamento, e possibilidade de carregamento ultrarrápido de 800 V.

Paquistão recebe primeiro autocarro totalmente elétrico

Paquistão recebe primeiro autocarro totalmente elétrico

Recentemente decorreu em Karachi – maior cidade do Paquistão e capital costeira da província de Sindh – uma operação experimental durante 15 dias, com um autocarro K9 totalmente elétrico. Este foi o primeiro de cem autocarros livre de emissões que o governo local pretende colocar nas estradas, ainda no presente ano.

Com mais de 16 milhões de habitantes, Karachi é um centro de transporte que liga o continente asiático a África e à Europa. Agora, conta com um autocarro verde, de 35 lugares de passageiros, para transportar os residentes numa viagem diária mais conveniente e limpa.

De acordo com Syed Awais Qadir Shah, Ministro dos Transportes de Sindh, “estamos muito entusiasmados em dar as boas-vindas ao primeiro autocarro totalmente elétrico do Paquistão. A operação teste do autocarro puramente elétrico foi bem-sucedida em Karachi e marca um passo importante para a eletrificação. Planeamos acrescentar 100 autocarros totalmente elétricos neste ano, na esperança de que o nosso sistema de transporte público seja capaz de popularizar os autocarros 100% elétricos no futuro.”

Discurso de Syed Awais Qadir Shah, Ministro dos Transportes de Sindh na inauguração.

Os cidadãos locais receberam com entusiasmo a novidade. O K9 é sinónimo de uma deslocação mais inteligente, segura e ecológica, por enquanto apenas na cidade de Karachi, mas tal como assegura Chaudhry Fawad Hussain, Ministro da Ciência e Tecnologia do Paquistão, espera-se que os governos locais vizinhos também adotem a ideia e contribuam, assim, para um serviço público de transporte mais verde e sustentável.

A BYD, sediada na China, é a responsável pela produção deste autocarro elétrico, encontrando-se há muito comprometida com a promoção da eletrificação nos transportes públicos, a nível global.

Lightning eMotors e REV Group na produção de ambulâncias elétricas

Lightning eMotors e REV Group na produção de ambulâncias elétricas

As fabricantes americanas de veículos comerciais, Lightning eMotors e REV Group desenvolverão, em conjunto, ambulâncias totalmente elétricas, com a Leader Emergency Vehicles.

O modelo será baseado na quarta geração do modelo elétrico Transit Van da Lightning eMotors e tem uma capacidade de bateria de 105 kWh. O veículo terá rodas traseiras duplas e um total de 4,699kg.

As ambulâncias elétricas estarão disponíveis, já no final deste ano, para agências governamentais, municípios, entidades comerciais, hospitais e organizações sem fins lucrativos.

FERRARI ELÉTRICO EM 2025

Ferrari anuncia modelo elétrico para 2025

Durante o Encontro Geral Anual, a Ferrari revelou que apresentará um modelo totalmente elétrico, já em 2025. Este anúncio assinala um ponto de viragem na história da marca, uma vez que os anteriores Presidentes sempre descartaram a hipótese de ceder à eletrificação.

O CEO da famosa fabricante italiana – John Elkann – admite que a expectativa está elevada depois da Ferrari ter lançado os dois modelos híbridos: SF90 Stradale e SF90 Spider. Ambos seguem a tradição sofisticada da marca, tanto no design como no desempenho. Ainda assim, Elkann garante que o primeiro modelo elétrico corresponderá às altas expectativas do público.

A Ferrari divulgou alguns detalhes que pretende ter em consideração nos motores híbridos e elétricos, bem como no design dos veículos, como por exemplo no próximo SUV Purosangue. No encontro anual, foi referido que o SF90 Stradale será o primeiro modelo com um motor na traseira, capaz de suportar o peso e posicionamento tanto do motor elétrico como da bateria.

Paralelamente, foi ainda adiantada a informação de que já estão em desenvolvimento novos projetos de veículos com motor na dianteira, que lhes confere um alto nível de conforto e carácter desportivo.

Fábrica Ferrary, em Maranello, Itália

Ainda que a Ferrari não tenha intenções de construir um veículo totalmente autónomo, anunciou que adotará certas características dessa tecnologia no segmento GT. Esta novidade surge como resposta aos desenvolvimentos regulamentares e também às preferências dos consumidores.

Microlino: uma nova leitura dos ‘carros-bolha’ para o século XXI

A Micro é uma empresa suíça de raízes familiares que pensa de forma diferente, e a prova está no seu mais recente projeto, o Microlino.

Um regresso aos anos 40 e 50, o Microlino é uma versão contemporânea do ‘carro-bolha’. É um modelo elétrico concebido a pensar nas deslocações em meio urbano. 

O Microlino tem uma configuração semelhante ao clássico L’Oeuf Électrique de 1942 e ao BMW Isetta de 1953: tem um banco único, uma única porta na frente e “espaço para dois adultos e três caixas de cerveja”. 

Na parte dianteira e traseira, há faixas LED individuais com ‘piscas’ integrados. O painel tem um display digital na frente do motorista para mostrar as informações relevantes, enquanto a barra de alumínio é uma homenagem às próprias raízes da Micro, as kickscooters. A configuração digital também pode ser adaptada facilmente, por meio de conexão de smartphone, altifalantes Bluetooth portáteis ou outros equipamentos e acessórios.

O Microlino pesa apenas 513 quilogramas e pode atingir 90 km/h. Tem duas opções de bateria: uma com autonomia de 125 quilómetros e outra de 200 quilómetros. A bateria pode ser totalmente carregada em apenas quatro horas numa tomada normal, não havendo opção de carregamento rápido.

É super ágil e tem uma boa capacidade de aceleração”, garante Oliver Ouboter, filho do fundador, diretor de operações e piloto de testes da Micro, acrescentando ainda que a direção também é bastante descontraída, encontrando-se essencialmente no mesmo nível das bicicletas, trotinetes e motocicletas. “Somos movidos pela inovação”, afirma.

A ideia inicial do Microlino foi concebida como um golpe publicitário. Foi exibido no Salão do Automóvel de Genebra de 2016, e os comentários foram de tal forma positivos que a Micro decidiu explorar as possibilidades de produção. 

O trabalho começou em janeiro, quando a estrutura do veículo foi estudada para atender aos requisitos de qualidade, segurança e utilização. Isso incluiu um novo chassis, construído em aço prensado e peças de alumínio, tal como um eixo traseiro mais amplo e sistemas de suspensão independentes na dianteira e na traseira.

Devido a regulamentações regionais, por enquanto Ouboter vê o Microlino principalmente como um produto europeu. Atualmente, existem cerca de 21 mil reservas, com 5.000 a 10 mil unidades planeadas para produção no primeiro ano – um número que pode facilmente aumentar, diz Ouboter.
Os preços começam nos 12 mil euros, com produção programada para começar este ano em colaboração com a empresa italiana CECOMP.

Diferentes cores e versões serão anunciadas no verão no Hemisfério Norte. O Microlino adaptar-se-á assim ao gosto de cada um. 

A par do Microlino, a empresa também está a trabalhar na Microletta, o conceito de trotinete elétrica de três rodas, baseada no design do ‘carro-bolha’, que combina a estética moderna com o charme ‘retro’.

Hub Criativo do Beato investe na sustentabilidade criando laboratório vivo

O Hub Criativo do Beato (HCB) – centro de inovação para empresas criativas e tecnologias – apresentou um novo projeto que potencia o desenvolvimento de novas tecnologias e serviços para mitigar o impacto das alterações climáticas, promovendo também a sustentabilidade do ecossistema empresarial que está a crescer na zona oriental de Lisboa, o HCB Living Lab.

Entre as principais medidas, estão a constituição de uma comunidade de energia, a criação de espaços para agricultura urbana, sistemas de energia e iluminação inteligentes, a neutralidade nos transportes públicos, projetos de economia circular na cadeia alimentar do HCB, entre outras. A execução do projeto tem duração prevista de três anos, terminando em 2024.

Os projetos a desenvolver neste living lab intervêm em quatro áreas prioritárias: Energia, Edifícios, Mobilidade e Economia Circular & Ambiente. Através de diferentes meios e atividades, o HCB LL vai apoiar a criação de um ecossistema de inovação, para a transformação urbana, através de uma série de ações promovidas em colaboração com parceiros: Carris, Circular, DST Solar, Innovation Point, Mota-Engil Renewing, Praça, Prio-Bio, Schréder, The Browers Company e Watt IS.

Segundo o diretor executivo da Startup Lisboa, Miguel Fontes: “o objetivo é criar no Hub Criativo do Beato um laboratório vivo que permita testar, demonstrar, afirmar e promover o desenvolvimento de soluções tecnológicas inovadoras que contribuam para a melhoria da sustentabilidade ambiental do projeto, com vista a um aumento da resiliência e da capacidade de resposta às alterações climáticas, garantindo o envolvimento ativo dos cidadãos, empresas, autoridades públicas e universidades locais”.

Yamaha desenvolve motor para elétricos de alta performance

O nome Yamaha está frequentemente associado a motos de alto desempenho, mas a empresa planeia também fornecer motores para hipercarros elétricos.

A empresa japonesa anunciou, esta segunda-feira, um motor elétrico de grande performance “destinado à instalação e utilização em ‘hiper veículos elétricos'”, de acordo com o comunicado. 

O novo motor da Yamaha tem 350 kW (469 cavalos) – entre as potências mais elevadas para um único motor elétrico no mercado atual –, é compacto, graças a um design que trata os componentes mecânicos e elétricos numa entidade única, e possui uma voltagem de 800 V. Foi desenvolvido prevendo já a instalação de várias unidades num só veículo.

A Yamaha notou que tem a capacidade de construir protótipos de acordo com as especificações dos clientes em prazos de tempo curtos, aproveitando a sua tecnologia de produção e conhecimentos nas áreas de fundição, maquinação e montagem, e acrescentou que já está a aceitar encomendas para os protótipos por parte de fabricantes de automóveis e outras empresas que usam motores elétricos de alto desempenho.

Informação Útil by UVE

Campanha Novo Associado UVE

UVE – Associação Utilizadores de Veículos Elétricos

Para celebrar o 5º aniversário da Apresentação Pública da UVE, encontra-se em vigor uma campanha para Novos Associados, de 23 de março a 23 de abril, em que será oferecida a quota do ano de 2021 às primeiras 100 inscrições.

Torne-se Associado UVE e beneficie das seguintes vantagens:

CARTÃO DE ASSOCIADO UVE é emitido em Parceria com a EDP Comercial.
O novo cartão da UVE contém a identificação do Associado (nome e número de Associado), tal como um QR Code personalizado que permite, junto dos Parceiros UVE, validar o estatuto de Associado UVE e beneficiar de condições exclusivas.
No entanto, a principal vantagem do novo cartão de Associado UVE é que este poderá ser utilizado como um cartão de Carregamento do seu Veículo Elétrico na rede pública de carregamento da MOBI.E. Contudo, a vertente CEME* do Cartão UVE encontra-se inativa por definição, visto que não é de adesão obrigatória.
Caso opte por ativar a vertente CEME do cartão UVE / EDP Comercial, beneficia de 2% de desconto adicional nos carregamentos na rede pública da MOBI.EConheça todas as vantagens da Parceria UVE / EDP Comercial, com descontos exclusivos para Associados UVE.

* CEME – Comercializador de Eletricidade para a Mobilidade Elétrica

A UVE disponibiliza uma área de login a todos os seus Associados – página my.UVE – onde podem ser consultados os dados e efetuar as seguintes ações:

  • Atualização dos dados pessoais (morada, e-mail e telefone)
  • Atualização dos dados dos seus Veículos Elétricos
  • Subscrição da Newsletter de Associado

A UVE dispõe mais de 50 parceiros onde os Associados UVE podem beneficiar de descontos. Basta apresentar o cartão de Associado válido e prova de identidade para poder beneficiar das vantagens e descontos exclusivos.
São celebradas novas parcerias regularmente! Mais informações aqui.

A UVE dispõe de Apoio Jurídico gratuito para os seus Associados, para assuntos relacionados com a Mobilidade Elétrica (por exemplo, instalação de postos de carregamento em condomínio, em empresas, legislação em vigor, etc.). Envie-nos a sua questão para associado@uve.pt, com a sua identificação de Associado (n.º de Associado, nome e NIF) para que possamos ajudar.

Um dos principais objetivos da UVE é desmistificar e esclarecer as dúvidas e questões relativamente à Mobilidade Elétrica em Portugal.
Fale connosco. Envie as suas questões e pedidos de esclarecimento através dos nossos Contactos, e acompanhe o nosso portal, a nossa página de Facebook, o nosso Canal Youtube e o Podcast UVE para estar a par das novidades relativas à transição energética que se vive em Portugal e a nível global.

Mensalmente enviamos uma newsletter para todos os Associados UVE com novidades sobre Veículos Elétricos e notícias relevantes sobre a Mobilidade Elétrica.
Adicionalmente, sempre que é realizada uma nova PARCERIA UVE, enviamos uma newsletter a todos os Associados, para que não perca a oportunidade de beneficiar dos melhores descontos!

Junte-se aos Fóruns online e aos Encontros Nacionais, Regionais ou Internacionais de Utilizadores e aficionados da Mobilidade Elétrica.
Assista e participe nas Tertúlias Elétricas, organizadas pela UVE, transmitidas em direto da nossa página de Facebook. As Tertúlias estão disponíveis também no nosso Canal Youtube e Podcast UVE.

A UVE defende e promove a Mobilidade Elétrica como uma solução imprescindível para a mudança dos hábitos e mentalidade dos cidadãos do mundo, em direção a um futuro sustentável.
Numa altura em que a necessidade de ação é imperativa, esteja do lado certo da História da Humanidade e faça parte do movimento de reversão dos efeitos nocivos causados ao planeta Terra.
Não há planeta B.

* Campanha válida para as primeiras 100 inscrições de Novo Associado UVE, de 23 de março a 23 de abril de 2021. A campanha termina assim que forem atingidas as 100 inscrições.

Para beneficiar da oferta da quota de 2021, insira o seguinte “Código de Campanha” na ficha de inscrição: UVE5ANOS

A UVE – Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos, é um organismo sem fins lucrativos, com a missão de promover a mobilidade elétrica.

Contactos
e-mail: geral@uve.pt
215 99 99 50 / 910 910 901
(dias úteis das 10:00 às 18:00)

Minuto AutoMagazine: Honda Crosstar Hybrid

Minuto AutoMagazine: Honda Crosstar Hybrid

Apresentamos o novo crossover citadino da Honda, o Crosstar Hybrid.

Honda Crosstar Hybrid:

Consumo (combinado WLTP): 4,8 l/100 km

Transmissão: E-CVT

Potência (combinada): 72 kW (98 cv)

Velocidade máxima: 173 km/h

Aceleração 0-100 km/h: 9,9 segundos

Emissões CO2 (combinado WLTP): 110 g/km

Tração: FWD

Bagageira: 298 l

Preço: desde 31.500 euros

Os 7 principais erros do vendedor de Automóveis

Os 7 principais erros do vendedor de automóveis

Opinião de José Carlos Pereira

O conhecimento que não altera comportamentos é inútil, mas se os altera pode tornar-se rapidamente obsoleto! Adoro esta frase para avaliar o impacto que novas práticas e ferramentas podem proporcionar a uma equipa de vendas de automóveis. E já tive a oportunidade de trabalhar e aprender com algumas – marcas e concessionários. 

Nunca nos devemos preocupar com o trabalho que nunca fizemos. Mas, acima de tudo, não nos devemos agarrar a mitos nas vendas de automóveis, como estes 7 que aqui enumero (há mutos mais do que 7!). Os erros que praticamos diariamente são muitos. Neste artigo da Green Future, fugindo em parte aos temas que me aproximaram á mesma, tento explorar alguns dos erros mais comuns, desmistificando com uma boa prática caso a caso.

Com estes 7 erros, não se pretende chegar a uma receita única de ‘como não fazer ou pensar’ (longe de criar uma solução mágica!), mas sim apresentar e partilhar algumas estratégias práticas que podem ser a diferença que faz a diferença para resultados excecionais.

“Simplificar o complicado tem sido a minha principal função junto de muitos vendedores de automóveis, pois fácil, mesmo, é complicar o simples”

#1 O princípio do negócio é que o cliente tem sempre razão – Não, o cliente nem sempre tem razão, embora seja a razão do nosso negócio! A venda é um processo de influência. A venda é ajudar o cliente a comprar um veiculo (seja ele de combustão ou elétrico). Há uma grande diferença entre fazer uma venda e criar um cliente. Ouvir ainda mais o cliente, adaptar-se ao seu perfil comportamental e da futura utilização, conhecer bem o nosso e medir muito bem a expectativa criada em função do resultado realmente entregue podem fazer a diferença entre ter ou não ter razão. Vemos, assim, o mesmo assunto sobre diferentes perspetivas. A comunicação assertiva pode ajudar a compreender a perspetiva do cliente na compra de um carro. Invista em boas práticas da escuta ativa para a ‘razão’ passar a ser um ‘não assunto’. 

#2 O cliente não é inteligente quando compra um carro, e o meu ponto de vista é que interessa – O ponto de vista do cliente interessa mais do que o ponto de vista de quem vende. Hoje ele pode, eventualmente, saber mais sobre a nossa marca e especificações dos carros do que nós. Ele está muito mais informado do que aquilo que nos transmite ou dá a entender. Escutar bem é, acima de tudo, ‘ouvir’ aquilo que o cliente não disse. Quem decide é o cliente, e os vendedores mais bem preparados são os que conseguem uma discriminação a seu favor em detrimento da concorrência. O poder de decisão é de quem compra, e a função do vendedor é influenciar essa mesma decisão, mas nunca se substituir a quem decide. Devemos é ser autênticos na forma como nos exprimimos e relacionamos com os outros – sempre baseados em factos, benefícios, resultados e não em argumentos.

“Na venda de um veiculo a atração dos clientes dá-se pelo lado emocional, mas o fecho passa por um processo racional (e lógico!)”

#3 O mercado é que é responsável pelos meus resultados – Não, isso é para quem gosta de encontrar desculpas para os seus maus resultados. Os resultados dependem mais do que fazemos diariamente do que do enquadramento e mercado. Não há mercados maduros ou impossíveis, mesmo num contexto difícil como o atual; há é modelos de negócio ou abordagens que não se adaptaram à realidade atual. Vender é para campeões, pois temos de aprender a ser rejeitados. Um ‘sim’ em vendas é um somatório de muitos ‘nãos’ – um comercial do mundo automóvel só se torna craque quando ouve muitos ‘nãos’, pois só desse modo aprende e é estimulado a contornar objeções. E a rejeição nunca é pessoal: diz respeito ao que estamos a vender e ao momento. Ou seja, ouvir ‘não’ faz parte do processo de venda. A questão não é refugiar-se em desculpas, e sim aprender a lidar com situações de rejeição (elas são sempre temporárias). O carro que vendemos não é o mais importante; é o que fazemos pela pessoa e com a pessoa – nunca desista de uma coisa que realmente quer atingir, pois “ninguém vence quem nunca desiste”. Os resultados não surgem daquilo que temos de fazer, mas sim do que podemos fazer para melhorar.

“Quem ensina aprende ao ensinar, e quem aprende ensina ao aprender.”

#4 Um bom vendedor já nasce vendedor – Eu acredito profundamente que não e estou convicto de que ter bons resultados depende do treino e dos nossos comportamentos diários. Trace objetivos para os clientes estratégicos (individuais ou frotas) e vá para uma reunião da compra do carro com eles claros – o que quero atingir? Pratique a TAC (Trabalho, Ambição e Confiança) – enquanto uma TAC, num hospital, permite saber se está tudo bem, uma TAC em vendas permite ter a certeza de que tudo vai correr bem. Fica a sugestão para fazer mais: ler 1 livro e 4 artigos de vendas por mês para aumentar o seu valor – preencha 15 minutos por dia do seu tempo livre para consumir conteúdos sobre vendas – e aprender uma coisa nova todos os dias (logo veremos se resulta daqui a um ano).

#5 Quanto mais falarmos, mais resultados teremos – O cliente tem de falar sobre as suas necessidades, comportamentos e modelo de utilização – não dar prioridade ao que pensamos de positivo da nossa marca é uma boa prática. Ouvir é mais importante do que falar. Quando escutamos ativamente e sabemos fazer perguntas inteligentes, estamos a dar origem a oportunidades. E mais do que descobrir necessidades, o segredo é despertar necessidades latentes – identificar, viver e despertar as ‘dores’ do cliente pela tipologia de utilização. Quanto mais informação estiver do nosso lado, melhor será a solução que se adequa ao problema/necessidade. Treinar e ter um script de perguntas leva a resultados extraordinários. Não temos de vender um carro, temos é de fazer com que o nosso interlocutor compre. A estrela não são os veículos ou o serviço pós-venda que oferecemos, mas sim o impacto e a relação que criamos.

#6 Não preciso de prospetar, já vendo muito –Quem anda no mundo das vendas, em geral, não gosta de prospetar, pois a rejeição é grande. Lembre-se é que o que prospeta hoje não vai ter de prospetar amanhã! São os novos clientes que alimentam a empresa e a sua sustentabilidade futura. De nada serve ter um arsenal de ferramentas de prospeção se não forem praticadas diariamente e de forma massiva. É mais eficaz um bom juízo diário e repetido do que ações pontuais e desgarradas. Há um provérbio bem antigo que diz algo do género: se quiser uma árvore de 50 metros no seu quintal, qual é a melhor altura para a plantar? A resposta seria: 50 anos atrás. E qual é o segundo melhor momento para a plantar? A resposta é simples: hoje. Temos de semear hoje para colher os frutos amanhã. E como vendedores temos de ter um posicionamento de agricultor. Não esquecer é que o comprometimento é bem mais importante que o envolvimento. A prospeção é uma das principais atividades do ciclo de vendas.

#7 Devemos procurar vender pelo preço (descontos, campanhas e promoções) para vender mais –Quem não cria relacionamentos tem de competir pelo preço. E quem entra pelo preço, mais cedo ou mais tarde vai ser preterido pelo preço. Há sempre alguém (concessionário), a vender um carro com as mesmas especificações, mais barato no mercado. A competição está no valor e na diferenciação. Não devemos apontar para uma venda, mas sim para um relacionamento duradouro e de recomendações futuras. Um cliente tem tendência a tornar-se mais rentável com o tempo. Quando fazemos descontos sem sentido, estamos a comprar a própria compra. Nunca confunda conceitos como preço e valor, nem nunca fale de preço quando o seu cliente não conhece o valor que entrega. Se o que faz hoje com o preço não está a resultar, mude, com criatividade, o padrão do que todos fazem para se destacar da concorrência (abordagem, modelo, etc.).

Em resumo, as vendas de automóveis devem passar por: aumentar o valor de compra e da experiência por cliente; reforçar a nossa autoridade como especialistas do setor automóvel; gerar mais recomendações; identificar novas oportunidades; ser mais criativo no modelo de abordagem via social e virtual selling; e possibilitar vendas futuras. 

Deixe de vender e passe a ser um consultor de compras automóvel: saber fazer perguntas abertas e inteligentes; descobrir as necessidades ainda não consideradas; entender o fluxo da tomada de decisão (quem está envolvido na compra, para além de quem paga e decide?); ser um aliado do cliente e descobrir o que o move/motiva a decidir.

Para finalizar, sugeria que não colocasse algumas destas dicas em causa se ainda não as experimentou. “Errar cedo nas nossas decisões e aprender rápido” é o meu lema!