fbpx

Green Future-AutoMagazine

O novo portal que leva até si artigos de opinião, crónicas, novidades e estreias do mundo da mobilidade sustentável

admin

Mobilize Limo: 100% elétrico para transporte privado de passageiros apenas disponível por subscrição

A Mobilize apresentou a Limo, uma berlina 100% elétrica de quatro portas, com 4,67 metros de comprimento, concebida especificamente para serviços de Táxi, TVDE e para as frotas. Disponível apenas mediante subscrição, a oferta incluirá diferentes pacotes e soluções de mobilidade personalizadas.

A Limo, da Mobilize, resulta de uma parceria criada entre o Grupo Renault e a Jiangling Motors Group Co., Ltd (JMCG), em 2018. Este modelo será revelado, em primeira mão, no Salão Automóvel de Munique dedicado à mobilidade – Munich IAA Mobility 2021 – no próximo dia 8 de setembro.

Em toda a Europa, o mercado dos automóveis de transporte individual de passageiros (táxis e os adstritos às plataformas digitais) está em expansão e é também um mercado que irá experienciar um aumento rápido e generalizado da eletrificação. Assim sendo, segundo a marca, o Mobilize Limo é a solução ideal para os condutores que procuram um automóvel sofisticado, sem emissões e com economia de utilização.

Este modelo está equipado com uma bateria que oferece cerca de 450 km de autonomia entre cargas (certificação WLTP ainda em curso). O Mobilize Limo é compatível com os tipos mais comuns de sistemas de carregamento AC e DC, o que significa que pode ser ligado a todas as estações de carregamento públicas e instalações domésticas do tipo Wallbox. Também pode ser recarregado numa tomada elétrica normal. Com carregamento rápido, a bateria pode recuperar 250 km de autonomia em apenas 40 minutos.

No que toca ao design, o modelo Limo tem 4.68 m de comprimento, 1.83 m de largura e 1.47 m de altura, tornando-o próximo das propostas do segmento D. Apresenta ainda puxadores das portas embutidos que se destacam quando se destranca o automóvel e, no interior, um ecrã de 10,25 polegadas que assegura o painel de instrumentos e um ecrã tátil de 12,3 polegadas, colocado ao centro, que concentra o controlo do sistema multimédia.

O sistema multimédia colocado a bordo do Mobilize Limo permitirá replicar o ecrã do telemóvel no ecrã de 12,3” que surge ao centro, a meio do tablier. De facto, a maioria dos condutores utiliza os seus próprios aparelhos para navegar e aceder a diferentes plataformas como a Uber.

No Mobilize Limo, o banco do condutor foi concebido para assegurar o máximo de ergonomia e conforto para os condutores profissionais. Desta forma, o banco possui oito regulações elétricas (quatro no lado do passageiro da frente), e a coluna da direção pode ser ajustada tanto em altura como em profundidade, assegurando que os condutores têm a posição ideal, independentemente do tipo de corpo. Um compartimento de armazenamento refrigerado está localizado entre os dois bancos dianteiros.

Em termos de desempenho, o Mobilize Limo vem equipado com um motor totalmente elétrico de altas prestações que debita 110 kW de potência (150 cv) e que oferece um binário de 220 Nm. Cumpre os clássicos 0-100 km/h em 9,6 segundos e tem uma velocidade máxima limitada de 140 km/h.

O condutor pode optar entre três diferentes modos de condução (Eco, Normal e Sport). A intensidade do nível de travagem regenerativa também pode ser ajustada para uma de três opções, através das definições do automóvel.

O Limo vem equipado com faróis integralmente em LED para assegurar níveis de visibilidade otimizados em ambiente noturno. O modelo base já vem com oito airbags (2 frontais, 2 laterais à frente, 2 laterais atrás e 2 cortinas) e os mais avançados sistemas de apoio à condução (ADAS) disponíveis: Cruise Control Adaptativo; Deteção de Presença no Ângulo Morto; Assistência à mudança e à manutenção na faixa e aviso de desvio da faixa de rodagem; Aviso de colisão frontal e aviso de atropelamento com sistema avançado de travagem de emergência; Reconhecimento de sinais de trânsito; Câmaras 360º (AVM); Ajuda ao estacionamento à frente e atrás; Alerta de presença de tráfego na zona traseira (Rear Cross Traffic Alert) e alarme de abertura de portas. Dependendo dos mercados, o Mobilize Limo pode ainda incluir um Pack de Inverno que abarca o aquecimento dos bancos e do aro do volante.

Os contratos de aluguer da Mobilize irão incluir quilometragens e duração de contratos flexíveis. Os condutores ocasionais terão acesso a uma solução “pay-as-you-drive” (pague à medida que utiliza). Para os operadores de frotas que prestam serviços de táxi/TVDE, a Mobilize alavancará a sua rede de empresas parceiras para oferecer uma solução completa para a sua atividade (expedição da frota, pagamentos, carregamento dos automóveis, conectividade…) com o objetivo de otimizar os seus Custos Totais de Operações (TCO).

Uma frota de 40 Mobilize Limo será lançada para validar os serviços que deverão estar disponíveis na Europa, a partir da segunda metade de 2022.

Entrevista: Cecília Anacoreta Correia, Porta-Voz do CDS-PP

Entrevista: Cecília Anacoreta Correia, Porta-Voz do CDS-PP

Nesta mais recente entrevista, o Green Future AutoMagazine foi conhecer a opinião e visão de Cecília Anacoreta Correia, Porta-Voz do CDS-PP e saber a estratégia do partido para as questões ambientais.

Enquanto porta-voz do CDS-PP, considera que tem um papel acrescido na hora de sensibilizar o Outro para as questões ambientais e matéria de sustentabilidade, enquanto uma das soluções para o futuro do planeta? Como é que tem usado a sua voz neste sentido?

Como porta-voz tenho um papel de representação do CDS-PP junto da comunicação social, para com isso procurar transmitir adequadamente os nossos valores e as nossas posições aos portugueses.

Entre os valores que o CDS-PP representa está, sem equívocos, a defesa dos valores ambientais. Da própria matriz humanista do CDS-PP decorre o empenho em torno da conservação da Natureza e a defesa de um paradigma de sustentabilidade da vida do Homem em harmonia com os ecossistemas e com a sua própria natureza. É preciso cuidar bem da nossa “casa comum” na perspetiva de que ela será a casa dos nossos filhos, netos e bisnetos. Tal como é preciso cuidar de nós mesmos, como partes integrantes de um todo.

A utilização de recursos naturais tem sido um desafio, na medida em que Portugal já esgotou os seus disponíveis para este ano. Para o CDS-PP, como é que Portugal pode gerir de forma mais sustentável e eficiente os seus recursos naturais?

A supremacia dos interesses individuais de cada um – numa lógica puramente liberal da sociedade – pode conduzir à “tragédia dos bens comuns”. A defesa dos interesses das comunidades implica condicionalismos à exploração e consumo dos recursos. Neste âmbito, o CDS-PP tem sido uma voz muito forte contra a exploração desenfreada do Lítio, que outros querem fazer no alto Minho contra a voz das populações locais, por exemplo.

Além disso, é preciso caminhar para uma sociedade que, mantendo o nível de conforto (e não voltando a viver sem transporte aéreo, como há dias vi sugerido, ou sem casas aquecidas), seja capaz de consumir menos e consumir de forma mais sustentável. Isso é possível com ganhos de eficiência e através de recursos renováveis. Um exemplo disso é a busca de eficiência energética e a produção de energia renovável. A defesa dos nossos recursos naturais é possível também através de uma política de transportes verde. Ou pela via da substituição do uso do plástico por fibra ou outros produtos naturais.

No dia Mundial do ambiente, que se comemorou no passado 5 de Junho, alertámos para o facto de os nossos pescadores e agricultores serem “os mais antigos cuidadores do ambiente”. Num país ainda muito estruturado em minifúndios, a agricultura e o mundo rural português são um trunfo que nos destaca ambientalmente a nível europeu. Para defesa dos nossos recursos naturais, o CDS defende também a promoção de políticas públicas que potenciem as valências de quem vive em contacto com a Natureza e tem um conhecimento secular acumulado. Os Agricultores devem ser incentivados a usar a floresta de forma sustentável, de modo a diminuir a probabilidade dos incêndios. Os Pastores e os Caçadores devem ter um papel ativo na preservação e cuidado das espécies autóctones. No CDS confiamos nas estruturas locais e entendemos que todos devem agir em rede, como parceiros, articulados pelos poderes públicos, que nunca deve ter a pretensão de os substituir, muito menos de os combater, como sucede quando se impõem exigências incumpríveis e se é muito lesto na aplicação de multas. 

Para o CDS-PP em que é que a estratégia de descarbonização nacional se deve centrar, no sentido de conseguirmos atingir a neutralidade carbónica nos prazos estabelecidos, ou ainda antes de 2050?

O objetivo em torno de atingir a neutralidade carbónica, previsto no Acordo de Paris, ou ainda antes disso, como aponta o Green Deal, é amplamente consensual. A questão está, sobretudo, em como alcançá-lo. Ou melhor, a que custo. Nesse âmbito, o Estado tem de ser capaz de canalizar os fundos públicos para projetos que, envolvendo os privados, protejam o interesse público. Não se pode cometer os erros do passado, esbanjando recursos públicos. Se analisarmos o Plano de Recuperação e Resiliência, constatamos que Portugal pretende ainda assim destinar mais de 700 milhões de euros para a construção de estradas.

Ora, as emissões de carbono para a atmosfera provenientes do sector dos transportes aumentam em Portugal desde o início do século e o transporte rodoviário representa mais de 95% destas emissões. Somos muito dependentes da viatura automóvel e isso é fruto de décadas de desinvestimos no transporte ferroviário. 

Apesar de os cidadãos já terem despertado para a necessidade de proteger o ambiente, ainda há muito a fazer para que a sociedade na sua totalidade esteja envolvida neste compromisso. Por exemplo, que medidas de sensibilização e educação o CDS-PP considera que devam ser aplicadas para que a reciclagem seja uma iniciativa tida por todos?

O envolvimento da Sociedade exige políticas públicas indutoras de boas práticas ao nível da reciclagem, da melhoria da gestão dos resíduos e da redução da deposição de aterros. A sensibilização e educação começa nas famílias e nas escolas dos nossos filhos. Mas passa também pela responsabilidade social das empresas, públicas e privadas. Porém, tudo isso não basta. É preciso que sejamos mais exigentes com a atividade de resíduos e que se ofereçam incentivos económicos para a qualificação das PME em torno do eco-design dos processos, dos produtos e, sobretudo das embalagens.

Como referido, é urgente apostar na substituição do uso do plástico por fibra ou outros produtos naturais.

Como é que o CDS-PP vê a transição dos portugueses para a mobilidade elétrica e suave? Considera que os incentivos são indispensáveis na ponderação? Se sim até quando? E até mesmo a nível de valores, considera que estão adequados à mudança que se pretende fazer?

Sabemos hoje que a mobilidade elétrica, em boa medida, vai impor-se. Tenho muitas dúvidas que se devam perpetuar incentivos fiscais à compra de carros elétricos, quando isso é hoje uma opção racional para os compradores e quando a atividade produtiva subjacente nem sequer tem grande expressão em Portugal. Acresce que Portugal é dos países da Europa que mais depende do automóvel individual e dos que menos utiliza os transportes coletivos e as bicicletas como modo de transporte. Por isso, mais do que incentivar a aquisição de viaturas individuais, o esforço público deverá estar concentrado nos transportes públicos e na criação de infraestruturas para que a utilização de bicicletas seja cómoda e eficiente nas cidades.

A aposta em sistemas de mobilidade partilhada, designadamente de bicicletas, e a sua integração nos passes das áreas metropolitanas deverá também ser uma prioridade. A mudança de viatura de combustão para viaturas elétricas nunca será suficiente para se atingir as metas europeias. As políticas públicas terão de assegurar as condições para que seja possível reduzir o número de automóveis particulares que circulam e tal só será possível com uma revolução nos transportes públicos. O que passa por uma aposta estrutural na ferrovia e pela criação de infraestruturas que permitam a compatibilizar o uso de bicicletas com a utilização de transportes públicos.

Os portugueses são dos europeus que mais usam os carros para deslocações. O que é que tem de ser feito para que Portugal integre a lista de países que mais utilizam os transportes coletivos ou meios de transporte suave como as bicicletas e trotinetes?

Num país que desinvestiu na ferrovia, que tem redes de Metro bastante exíguas e cuja qualidade dos transportes públicos rodoviários deixa muito a desejar, não se pode esperar resultados muito diferentes. Não nego que existam alguns elementos culturais que pesem, mas sabemos que os nossos jovens, sobretudo nas cidades dotadas de pistas adequadas, aderiram em força aos meios de transporte suave, como as bicicletas e as trotinetas. E para além da integração do uso das bicicletas nos passes das áreas metropolitanas, para que estas possam ter espaço nos comboios e demais transportes públicos, é preciso investir na ferrovia e no Metro, sempre que este se justifique.

Por exemplo, em Lisboa, o CDS-PP defendeu, há muito, o alargamento do Metro de Lisboa muito para lá dos limites do concelho, com 20 novas estações. Infelizmente a opção tem sido outra.

Entrando agora num dos temas que tem sido discutido ultimamente, qual é a posição do CDS-PP relativamente à utilização de hidrogénio enquanto fonte de energia alternativa? 

O hidrogénio tem um papel a desempenhar na descarbonização na medida em que não é pensável uma eletrificação total da economia e aquele permite aproveitar os investimentos já realizados com os gasodutos existentes. Agora, dito isso, não se pode esbanjar recursos públicos alimentando tecnologias que ainda não estão maduras. Cujos custos e resultados reais são ainda, em grande medida, uma enorme incógnita. Não queremos que se repitam os erros que outros governos socialistas cometeram nas eólicas, por exemplo.

Somos um país pobre, que precisa de racionalidade económica para travar os devaneios socialistas de outros tempos, cuja fatura pesa todos os dias no bolso dos contribuintes e consumidores energéticos.

A crise climática é um tema que não deixa ninguém indiferente e está na ordem do dia pelas piores razões, isto é, o tempo está a esgotar-se nesta luta e não há planeta B. Quais são as estratégias de combate à crise climática do CDS-PP?

Queremos que se cuide bem da nossa “casa comum”. Tal implica a defesa dos nossos recursos naturais, o que envolve agricultores, pescadores, pastores, caçadores, indústrias e toda a sociedade em geral. Tal implica também a descarbonização da sociedade (mitigar e, sempre que possível, eliminar a produção de CO2), o que envolve os transportes, a indústria, a produção energética, os edifícios e também o uso da terra (a agricultura). Há muito por fazer e o segredo está na otimização dos recursos públicos e no adequado balanceamento dos valores em presença: a transição tem de ser justa, protegendo a requalificação dos profissionais, o emprego e a sustentabilidade das famílias.

Nesse aspeto os termos do próximo quadro da PAC que terá de ser aprovado no início de 2022 para entrar em vigor em 2023 será crucial. A manutenção de condições que permitam a valorização de ecossistemas mediterrâneos, como sejam o montado de sobro, são essenciais para o combate às alterações climáticas e a desertificação que foram já apontados como vetores essenciais da reforma da PAC.

O CDS tem uma grande tradição na defesa do mundo rural e está atento neste campo, sendo essencial que o Governo saiba defender formas de ocupação dos solos que sejam barreira a uma agricultura intensiva, porque esta assegura mais rendimentos a curto prazo mas prejudica a sustentabilidade quando analisada a longo prazo.

O consumo excessivo e desnecessário, quer seja de bens, de energia ou água, tem um impacto muito negativo no nosso planeta, pelo que a redução de consumo é um trabalho muito importante que deve ser feito por cada um de nós. O que é que o CDS propõe para que Portugal se distinga pela política de redução?

A palavra chave é eficiência, para não cairmos na “tragédia dos bens comuns”. Como disse, sem baixar o nível de conforto, temos de saber gastar melhor. O CDS-PP defende um compromisso mais efetivo com uma estratégia de promoção de uma economia circular assente na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia.

Como perspetiva o futuro de Portugal na conquista de um amanhã mais verde e sustentável?

Portugal, não sendo particularmente dotado de recursos naturais, tem no seu património ambiental um trunfo. As nossas praias virgens, a floresta, os parques e montanhas que podemos percorrer pelo país, do litoral ao interior e nas ilhas, assim como o mar, são ativos que o país tem de saber proteger. Adotando uma economia circular, esta geração pode deixar aos seus filhos um país preservado cuja atividade económica seja amiga do ambiente. Viver em sustentabilidade e também, com isso, atrair quem nos queira visitar faz parte da visão do CDS-PP para o futuro. O Turismo do ambiente é um produto forte que tem enorme potencial económico, do Continente às Ilhas dos açores e da Madeira.

Stellantis: Fusão da FCA com o grupo PSA – curiosidades

O acordo entre os dois grandes grupos FCA (Fiat Chrysler Automobiles) e PSA Groupe foi celebrado em dezembro de 2019. E este artigo tem por base uma apresentação pública, em janeiro de 2021, proferida por Carlos Tavares, atual CEO da STELLANTIS e ex-CEO do grupo PSA, além de ser – acrescento – um português que orgulhosamente sigo com atenção, talvez um dos mais bem-sucedidos da diáspora portuguesa em gestão internacional.

Estamos a falar de mais de uma dezena de marcas (Alfa Romeo, Chrysler, Citroën, Dodge, Fiat, Jeep, Opel, Peugeot, entre outras), mais de 8 milhões de veículos por ano, assim como vendas consolidadas acima dos 160 mil milhões de euros. E, basicamente, com esta fusão dá origem ao 4º maior fabricante do mundo (3º em volume de vendas).

Os principais objetivos desta fusão serão o aumento da escala, a liderança em alguns mercados (China, em particular) e a redução de custos (convergência de plataformas, otimização de investimentos em I&D, compras, fornecedores, etc.). E isto porque a indústria automóvel enfrenta grandes transformações, sendo a eletrificação um dos maiores drivers para os próximos 10 a 20 anos – assim como a digitalização, condução autónoma e conectividade. E isto afeta toda uma cadeia de valor do cluster automotive e de dezenas de milhares de fornecedores do ecossistema dos componentes.

O tema que levou ao anúncio oficial na referida conferência foi “Construindo um novo líder mundial de mobilidade sustentável”. E será que vai conseguir? Neste artigo, não tento dar respostas sobre o futuro; apenas pretendo apresentar algumas curiosidades, com interpretação minha, da fusão de duas grandes construtoras que, consideradas isoladamente, já eram gigantes. 

E as principais conclusões foram as seguintes:

Great rather then big – Muito interessante ter este pensamento no crescimento e na escalabilidade do negócio futuro (assim como na sustentabilidade e previsibilidade). Ou seja, escala como necessidade para investir em inovação que outros não conseguem fazer; e serem muito bons no que fazem – para dentro e para fora –, impactando comunidades e pessoas. A alavancagem das sinergias e competências dos dois grupos para mais eficiência e efetividade provocará uma poupança estimada na ordem de 5 mil milhões de euros.

Diversity and competitive spirit – 400 mil pessoas de culturas diferentes: é na diversidade, na aceitação das pessoas como são, que está uma das forças de competição futura, visto que o mundo é feito de diversidade. “Doing the right things right” é o lema adotado. Inovação com alguma provocação, muito orientada para a tecnologia.

Exceeding consumers expectations – Tendo a meta da neutralidade carbónica sempre em mente, como também a mobilidade e a conectividade. O peso dos carros elétricos nas vendas será significativo no futuro, assim como a mobilidade e utilização partilhada. A condução autónoma será um dos maiores desafios na gestão das expectativas dos clientes versus o que vão entregar amanhã – mobilidade limpa, segura e acessível. A questão não será o número de modelos elétricos (39 em 2021), mas sim modelos mais acessíveis, no preço, à maioria da população – alargar segmentos e mercados, conseguindo ter, no futuro, uma versão elétrica em cada modelo produzido pela STELLANTIS.

Take aways – A soma das partes será maior que os dois grupos isolados: 40 marcas com o lema de “freedom of mobility” e neutralidade carbónica como foco. 

A questão é que, para atingir estes objetivos, só uma fusão poderia provocar sinergias que libertassem meios para grandes investimentos, não colocando em causa o número de trabalhadores atual, bem como um valor de vendas somado superior às partes, salientando que a regulamentação, cada vez mais apertada, também vai provocar muita pressão nos custos de produção.

Carlos Tavares pode até já ser considerado o 3º homem mais poderoso da indústria automóvel mundial, logo atrás de Akio Toyoda (Toyota) e de Herbert Diess (Volkswagen).

É conhecido como o homem que “faz milagres” no campo da rentabilidade. Lembro que trabalhou diretamente com Carlos Ghosn na Renault (conhecido como “o assassino dos custos extras”). Saliento, também, que o novo CEO da STELLANTIS conseguiu evitar a falência da PSA e multiplicar os resultados nos últimos anos. 

Outro feito foi salvar a Opel do grupo GM (General Motors) na Europa, após compra pela PSA em 2017. O objetivo será não encerrar nenhuma das 27 fábricas (número após a fusão) existentes na Europa.  

Outra particularidade está no nome, que fugiu à normalidade de juntar letras das várias marcas “as usual”. Esta designação, STELLANTIS, traz uma palavra simples de pronunciar em qualquer língua e com uma sonorização forte. A origem vem do latim “stello” e significa “iluminar estrelas”. Logo veremos se brilham!

Sobre o autor 

José Carlos Pereira é engenheiro do ambiente, com MBA Executivo em Gestão Empresarial. É business expert, consultor, formador e speaker na área comercial e de negócios internacionais.

Empresa australiana desenvolve sistema de troca de baterias em camiões

A indústria de camiões da Austrália caminha no sentido da eletrificação com um desenvolvimento recente que promete impulsionar este processo.

O projeto desenvolvido pela empresa Janus Electric tem como objetivo eletrificar a indústria dos camiões, sem depender de infraestruturas alimentadas por bateria recarregável. Assim, a empresa desenvolveu um sistema de substituição de baterias que elimina a necessidade de longo tempo de recarga, permitindo que as baterias sejam trocadas em três minutos.

Bevan Dooley, co-fundados da Janus Electric, e o diretor geral, Lex Forsyth, descrevem esta tecnologia inovadora como uma reviravolta na indústria dos transportes, a nível global.

O sistema de troca de baterias da empresa australiana está atualmente projetada para Class 8 Prime Movers e, embora as baterias de íon-lítio que medem cerca de 2 metros por 1,2 metros rondem os 120.000 dólares australianos cada (cerca de 77.500 euros), a empresa desenvolveu um negócio de aluguer, com o objetivo de reduzir o investimento inicial das empresas.

Estima-se que as grandes baterias forneçam entre 400 e 500 quilómetros de autonomia por carga, enquanto algumas aplicações menores provavelmente serão capazes de atingir os 600 quilómetros.

A empresa de camiões Linfox parece ter entendido as vantagens que a transição para camiões elétricos pode trazer para os seus negócios e é uma das primeiras a testá-los na Austrália.

Outros fabricantes líderes de camiões, como Scania, Mercedes-Benz e Volvo, têm também planos para eletrificar a sua oferta de camiões, estando alguns projetos já em fase de testes.

Geração Z - A Geração Móvel

Geração Z – A Geração da Mobilidade

Opinião de Stefan Carsten

Desafio

Como intervenientes principais de um mercado em rápida mudança, os fabricantes de automóveis têm de se interessar pelas necessidades e desejos futuros das pessoas – especialmente dos clientes que estão a chegar ao mercado. Por esta razão, o Zukunftsinstitut – um think tank de estudos sobre o futuro –, comissionado pela Ford, questionou jovens sobre as suas opiniões e atitudes relativamente à mobilidade. O objetivo do Mobility Zeitgeist Study 2020 era entender melhor a Geração Z. Afinal, a interpretação da mobilidade por parte dos jovens que têm hoje entre 18 e 23 anos significa que novos caminhos terão de ser tomados no futuro. Só assim será possível criar serviços de mobilidade com os quais a Geração Z possa viver.

Conclusão do atual inquérito, com mais de 2 000 pessoas selecionadas aleatoriamente: atualmente, a mobilidade é sinónimo de multimodalidade, flexibilidade e liberdade, mas ao mesmo tempo o automóvel permanece altamente relevante no público-alvo de 18 a 23 anos.

Em detalhe, o estudo mostra o tipo de mentalidade da Geração Z em relação a…

  • Importância e significado da mobilidade e automobilidade: o automóvel continua a ser um componente relevante da mobilidade individual.
  • Mobilidade pós-fóssil: no caminho para uma maior sustentabilidade, os motores a gasolina e diesel são rejeitados pela grande maioria.
  • Procura da mobilidade: utilização das múltiplas possibilidades de mobilidade. Os membros da Geração Z são protagonistas da mudança entre tipos de transporte.
  • Mobilidade partilhada: as novas ofertas ainda precisam de tempo. O alto nível de conhecimento de novos produtos e serviços não resulta ainda num alto nível de utilização.
  • Vida facilitada: a mobilidade porta-a-porta integrada em redes é um desejo importante para o futuro.
  • Equilíbrio trabalho-lazer: a mobilidade deve ser facilitadora de uma cooperação equilibrada entre as duas vertentes.
  • Mobilidade conectada: inovações para uma melhor experiência de mobilidade, mas os dados privados devem permanecer seguros.

Conhecer a Geração Z

A mobilidade, entendida como um todo, goza de um estatuto muito elevado na Geração Z. ‘Estar móvel’ é uma base importante no cumprimento dos seus objetivos de vida e da necessidade de liberdade e flexibilidade. Os valores da Geração Z são complexos e bastante sérios. Giram em torno do sucesso profissional e do valor dos amigos e da família. Na busca pela individualidade num mundo global, as principais prioridades dos jovens, além do desejo por um trabalho com significado e gratificante (83%), são “divertir-se e aproveitar a vida” (83%) e “ter tempo para si e para os seus próprios interesses” (85%). A mobilidade é uma pedra angular importante neste equilíbrio entre trabalho e lazer, que 80% da Geração Z procura, porque para eles a mobilidade é sinónimo de flexibilidade (64%), independência (58%) e liberdade (54%).

A importância do automóvel no mix de mobilidade continua elevada

A Geração Z faz uso das muitas possibilidades de mobilidade. Seleciona os seus meios de transporte de acordo com a forma como melhor se adaptam à sua vida quotidiana no momento. Aqui, o automóvel ainda é muito importante, mas deve ser integrado num estilo de vida ativo e ambientalmente consciente (afinal, 71% dos jovens entre os 18 e os 23 anos já têm carta de condução).

Igualmente importantes para a maioria são os custos globais de mobilidade. Sete em cada dez inquiridos gostariam de ver os preços mais baixos possíveis ou mobilidade a baixo custo. Comprar um carro já não é o objetivo principal da geração mais jovem, uma vez que têm acesso ao automóvel: a Geração Z usa o carro da família ou um carro emprestado. Este estatuto geral do carro aqui e os objetivos de vida da Geração Z também se refletem naquilo que exigem de um carro. Dois terços concordam com a afirmação de que “as viagens de carro em conjunto com amigos são divertidas” (67%). Quase tantos concordam, no entanto, que um carro deve ser, antes de mais nada, prático e funcional (64%) e oferecer o maior número possível de formas ​​de utilização através de interiores adaptáveis (56%).

Quão sustentável é realmente o pensamento da Geração Z?

Os chamados valores sustentáveis, como estilos de vida e de consumo socialmente responsáveis, são considerados importantes por (apenas) 58% dos inquiridos. No geral, contudo, a mobilidade verde é uma grande prioridade entre os jovens adultos: 63% da Geração Z considera os altos padrões ambientais e proteção climática e dos recursos como critérios importantes para garantir que a mobilidade responda realmente às necessidades das pessoas, no futuro. Metade dos inquiridos diz que conduzir um carro ecológico produz uma boa sensação (51%) e está convencida de que deveriam haver mais incentivos para produzir, comprar e utilizar carros elétricos amigos do ambiente (50%).

Minuto AutoMagazine - Volkswagen ID.3

Minuto AutoMagazine: Volkswagen ID.3 1st


O Green Future AutoMagazine foi ao 4º Salão do Automóvel Híbrido e Elétrico testar o novo 100% elétrico da Volkswagen.

Especificações:

Bateria: 48 kWh

Autonomia WLTP: 330 km

Transmissão:  automática; tração traseira

Potência: 150 kW (204 cv)

Velocidade Máxima: 150 km/h

Aceleração 0-100 km/h: 7.3 segundos

Bagageira: 341 l

Preço: a partir de 38 017€

Voz ao Utilizador - Telmo Azevedo

Voz ao Utilizador: Telmo Azevedo (Parte I)

O Green Future AutoMagazine esteve à conversa com Telmo Azevedo, um engenheiro que optou pela mobilidade elétrica há já muito tempo.
Nesta primeira parte, fique a conhecer como a mobilidade sustentável surgiu na vida do nosso convidado.

Toyota RAV4 Hybrid - Minuto AutoMagazine

Minuto AutoMagazine: Toyota RAV4 Hybrid FWD

Ensaiámos a versão híbrida, de tração dianteira, do novo Toyota RAV4.

Especificações

Consumo (combinado): 5,6 l/100 km

Transmissão: Transmissão Variável Contínua Controlada Eletronicamente (e-CVT)

Motorização: 2.5 l; 4 cilindros em linha; gasolina + motor elétrico 88 kW

Potência (combinada): 160 kW (218 cv)

Binário máximo: 221 Nm (3 600 – 5 200 rpm)

Velocidade máxima: 180 km/h

Aceleração 0-100 km/h: 8,4 segundos

Emissões CO2 (combinado, WLTP): 126 g/km

Tração: FWD

Bagageira: 580 l (mín.); 733 l (máx.)

Preço: a partir de 41 000 €

Novo Mercedes EQS

Mercedes EQS chega em 2021

O EQS, o modelo totalmente elétrico da mais recente gama da família Classe S, chegará ao mercado durante o próximo ano. É o primeiro automóvel a utilizar o novo sistema concebido para os veículos elétricos do segmento de luxo e executivos da Mercedes-Benz.

A nova geração de veículos elétricos do segmento de luxo é baseada numa arquitetura especificamente desenvolvida, que é escalável em todas as vertentes e pode ser utilizada em várias séries de modelos. Desta forma, o conceito do veículo é otimizado para cumprir todos os requisitos de uma família de modelos elétricos que a Mercedes-Benz pretende expandir no futuro. Esta arquitetura de veículo permite construir veículos elétricos de diferentes tipologias, desde limousines até grandes SUV.

O EQS encontra-se atualmente nas últimas fases de testes, antes do início da etapa de produção, incluindo a realização de testes no Centro de Testes e Tecnologia em Immendingen. O processo inclui testes de inverno na Escandinávia, testes ao chassis e à cadeia cinemática em pistas de ensaios, estradas públicas e no circuito de testes de alta velocidade de Nardo, bem como os testes integrados de todo o veículo no calor do sul da Europa. Atualmente estão também a ser realizados testes de estrada na China e nos Estados Unidos.

No âmbito da sua iniciativa ‘Ambition 2039’, a Mercedes-Benz tem como objetivo oferecer um portfólio de novos modelos de veículos neutros em emissões de CO2 num período de menos de 20 anos. A empresa pretende que os veículos equipados com propulsão elétrica, incluindo veículos totalmente elétricos e híbridos plug-in, representem mais de metade das suas vendas em 2030.